sábado, 21 de maio de 2016

O EGITO: A vida venceu a morte e a alma sobrevive, por JOÃO JORGE - http://www.bahiaja.com.br/cultura/noticia/2016/05/16/o-egito-a-vida-venceu-a-morte-e-a-alma-sobrevive-por-joao-jorge,91837,0.html

O EGITO: A vida venceu a morte e a alma sobrevive, por JOÃO JORGE

A vida moderna dos dias atuais, segue o rumo do Egito antigo e da vida do seu povo
João Jorge , Salvador | 16/05/2016 às 13:20
João Jorge Rodrigues em recente visita ao Egito
Foto: DIV
   Apenas vagas imagens do cinema americano, citações bíblicas, as guerras, e algo dos tempos antigos, os faraós, e os nomes de poucos lugares. O Egito é muito mais que isto, um país moderno com história, noventa milhões de habitantes,uma capital de vinte milhões de pessoas, o Cairo, e três milhões de automóveis, uma nação que recebia antes da primavera árabe de 2011, quatorze milhões de turistas, hoje algo em torno dos dois milhões, um povo com muitos problemas atuais e com muitas soluções geniais, igual a maioria dos países do mundo, o Egito tem trinta por cento dos monumentos mundiais e a única das setes maravilhas do mundo que pode ser vista, as pirâmides de Gizé.

   O fato mais espetacular do Egito, e a vitória da vida sobre a morte, no berço da civilização antiga, os africanos do Egito, lidaram com a expectativa da morte física e da dualidade do corpo e da alma, preocupados com o retorno a vida preparam todo um sofisticado sistema para a vida além da Norte física e fizeram do Vale dos Reis a oeste do Rio Nilo um lugar extraordinário para a sobrevivência das suas vidas quando o corpo dos faraós tivesse tido óbitos. 

   Assim os diversos faraós que estão enterrados nas catacumbas nos túmulos dos vales do Reis descansariam em paz à espera do retorno o de suas almas para cada um dos seus corpos seguindo a mitologia Egípcia.

   Na visão deste africanos do Egito, Eles sairiam para a luz, e voltariam para suas riquezas, roupas, e bens materiais, e isto está acontecendo de outra forma, a vida ganhou da morte ao projeta los para o mundo através da fama e da descoberta por arqueólogos de cada uma das tumbas do vale dos Reis ou vale da morte, o livro dos mortos escrito nas pirâmides, o livro dos textos das pirâmides que na verdade é um livro que fala em sair para a luz contém com recomendações feitiços e sugestões de como a alma voltará ao corpo para aqueles que seguirem o primeiro livro da humanidade.

   Porém até hoje nenhum faraó voltou a vida. A vida vêm sendo devolvida à eles através dos visitantes, através da divulgação dos seus feitos. Quem era, como era , como fizeram, de tal forma que alguns são mais vivos agora do que na sua época de vida carnal, a exemplo de Akhenaton, Tutacamom e Ramsés.Neste momento eles vivem juntos e sua presença estão em todo o Egito, camisas brindes, estudos, pesquisas, os fazem presentes entres nos, não houve uma morte para eles, vivem em templos de Karnak, Luxor, Edfu,Ko Mombo,Philae,Abul Simbel, guias passam com turistas e falando foi assim, fizeram isto, está escrito assim, e nas paredes somente a luz do sol, já os textos escritos, gritam leiam, decifrem a história da vida na terra.

   A vida moderna dos dias atuais, segue o rumo do Egito antigo e da vida do seu povo

   Descrita nas paredes dos templos com muitas recomendações de como fazer agora na saúde na política na fé na filosofia na matemática, na astronomia, no Direito e na política. Tudo que deveria estar esquecido devido a morte física dos reis, e o silêncio do vales dos Reis, ganhou ares de vida após suas mortes, com o olhar de cada pessoa que vem a este país.

   Não foi fácil conter a emoção ao visitar cada templo, cada túmulos, orar diante dos sarcófagos, passar as mãos nas paredes interpretar as formulas dos incensos e dos feitiços nos hieróglifos diante de mim, as escadas longas para descer nos túmulos, as escadas para subir, não barraram minha energia para descobrir uma parte da minha história pessoal e de milhares de descendentes de africanos que foram para a Bahia.

   A vida venceu a morte aqui no Egito, a alma de um povo sobreviveu as invasões terrestres,fala grita, esclarece informa sobre o sol, o Deus supremo, que ama outros deuses, e abriu suas asas sobre todos por aqui, e convenceu os visitantes que a eternidade do corpo físico e o menor dos atributos que podemos desejar. A vida que venceu aqui é a da alma, de Osiris, Isis, Horus, a trindade divina, a vida que venceu aqui é das pessoas que por seus feitos e percepção da não eternidade souberam construir uma ligação com o futuro através do templos como o Vales dos Reis, dos textos dos primeiros livros da humanidade e do amor ao Sol, como o renascido de todos os dias. O sol no Egito, venceu a morte, a vida por aqui venceu a morte, apesar desta continuar nos esperando para o encontro logo ali.

João Jorge Santos Rodrigues.

É advogado, Mestre em Direito Publico pela UnB, Fellow da Ashoka, Presidente do Olodum. Produtor cultural, Visitou o Egito em maio de 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os Direitos Humanos uma história e evolução.

Direitos fundamentais: a evolução histórica dos direitos humanos, um longo caminho Dirceu Pereira Siqueira, Miguel Belinati Piccirillo  ...